Texto: Ruan Galvão

Um estudo realizado pela IBM em parceria com o Instituto Ponemon mostra que o custo médio de violação de dados para empresas no Brasil é de R$ 1,24 milhão, valor bem abaixo da média mundial para lidar com problemas do gênero, que é de US$ 3,86 milhões.

Por outro lado, a pesquisa também mostra que o Brasil é o país mais propenso a sofrer violações de segurança. De acordo com pesquisadores consultados pela IBM, o risco de uma empresa no Brasil sofrer um ataque é de 43%, um índice bem maior que em países com cultura de segurança cibernética como Alemanha (14%) e Austrália (17%).

Nesse contexto, é necessário entender que os benefícios trazidos pela internet e a maneira como consumimos produtos, serviços e informações mudaram com a transformação digital. Por isso, precisamos pensar que toda evolução tem como premissa a necessidade de preparo e aprendizado para que os benefícios não se transformem em pontos negativos.

Dadas essas informações, a pergunta é: como navegar de forma segura na Internet em um mundo cada vez mais conectado?

Entendendo a Segurança da Informação

A Segurança da Informação apoia-se em uma série de normas internacionais, desenvolvidas pela ISO (International Organization for Standardization), e brasileiras, elaboradas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), da série 27.000. Os seus conceitos basilares estão descritos na ISO/ABNT 27.001

As normas anteriormente citadas definem a segurança da informação como necessárias à proteção das organizações, responsáveis por garantir a continuidade dos negócios e evitar possíveis prejuízos causados pelo vazamento de informações sensíveis.

A segurança da informação tem como foco principal 3 pilares importantes, são eles: confidencialidade, integridade e disponibilidade (conhecida como CID).

Falar de Segurança da Informação requer obrigatoriamente falar sobre esses 3 pilares. Então, vamos saber mais sobre eles?

Confidencialidade

De maneira resumida, a confidencialidade entrega à organização a certeza de que as informações serão acessadas somente pelas pessoas autorizadas, ou seja, aquelas que de fato precisam do acesso.

Integridade

A integridade é responsável por atestar que a informação é a mesma desde o momento que foi gerada até o seu descarte (o chamado ciclo de vida da informação), ou seja, garante que a informação não sofreu modificações indevidas ao longo do caminho.

Disponibilidade

A disponibilidade é quem garante que a informação estará plenamente acessível, sempre que a sua utilização se julgar necessária. A questão da disponibilidade está, ainda, fortemente atrelada a outros conceitos, como a continuidade dos negócios e construção de planos de Disaster Recovery.

Mas, então, por que investir em Segurança da Informação?

As vantagens de investir em segurança da informação se dão, principalmente, pelos atributos constantes da CID, responsáveis por trazer qualidade aos processos da empresa, uma vez que a navegação segura evita possíveis pausas ou cancelamentos em processos de urgência ou de alto risco.

Com os conceitos e as boas práticas definidos, é hora de escolher a ferramenta que irá realizar a proteção das suas informações. Para isto, é necessário que o parceiro tenha experiência para indicar a ferramenta correta para a sua necessidade.

Há disponível no mercado várias opções como firewall, controle de acesso à internet, acesso remoto seguro e segurança de e-mails, essenciais para que sua organização execute os processos do dia a dia de forma segura.

O caminho para analisar e sugerir a melhor opção dentro do diagnóstico da necessidade da sua empresa não precisa ser trilhado sozinho. Conte com um parceiro com expertise para fazer corretamente a análise do negócio e propor as ferramentas necessárias para que a sua empresa esteja conectada de forma segura.

Fale com a HSBS!